O presidente da Câmara de São Vicente reagiu hoje, em conferencia de imprensa, ao balanço negativo feito pelo líder da Comissão Política Regional do PAICV na ilha de São Vicente, alegando que Mindelo regista neste momento um grande movimento, que resulta da dedicação ao trabalho e da seriedade da sua Câmara a esta ilha.

O autarca enumerou as diversas obras “em curso ou em vias de arrancar” em São Vicente, ilha que, segundo a mesma fonte, tem hoje um “movimento forte e nunca visto”, e que o seu “enorme potencial” reside, sim, na dedicação ao trabalho e seriedade que tem para com a ilha.

Entre as obras em curso, nomeou a requalificação da Baía das Gatas, ampliação do Hospital Baptista de Sousa, reconstrução do CNAD, requalificação da ETAR, calcetamentos “em todos os bairros”, asfaltagem do centro da cidade, a iniciar-se na próxima semana, a nova sede dos serviços sociais da câmara, em Fonte Filipe e um conjunto de quatro hotéis em construção na ilha, entre outros.

Sobre as obras de requalificação do Estádio Adérito Sena, esclareceu que a quota da câmara para as mesmas, de 15 por cento (%), encontra-se inscrita no orçamento para 2020, mas que o arranque da empreitada é da responsabilidade da Federação Cabo-verdiana de Futebol.

“São Vicente tem hoje outra cara, que preocupa aqueles que da ilha só desejam correr atrás dos seus interesses pessoais”, lançou Neves, que admitiu que “não é por acaso que a população aumentou na ilha”, ultrapassando hoje “as 95 mil pessoas”.

Reafirmou ainda que as sucessivas equipas camarárias em São Vicente têm travado uma “luta grande” para a redução e eliminação das casas de lata, que vai continuar essa luta, mas com “medidas adequadas para a sua redução e eliminação”, através de programas e planos.

“A perda de ente querido, o luto e a dor de uma família são coisas sérias e duras e não devem ser usadas para se retirar dividendos políticos”, considerou ainda Augusto Neves, numa alusão ao incêndio de Pedra Rolada, da madrugada de 01 de Janeiro.